Centenário da Revolução Russa é homenageado por Ana Lúcia com seminário e exposição.

Escrito por Paulo Eduardo Ribeiro Ligado TPL_WARP_PUBLISH . Publicado em Notícias

WhatsApp Image 2017 11 07 at 21.55.05Na última terça-feira, 7, estudantes, militantes de partidos políticos e movimentos sociais do campo e da cidade, além de trabalhadoras e trabalhadores em geral, lotaram o auditório do Centro Cultural de Aracaju para acompanhar o seminário "100 Anos da Revolução Russa" e o lançamento da exposição "1917: Imagens e Cartazes da Revolução que Desafiou o Impossível", promovidos pelo mandato da deputada estadual Ana Lúcia (PT).

Para participar do seminário como palestrantes, foram convidados como palestrantes o advogado e ex-militante do Partido Comunista Brasileiro, que viveu por anos na União Soviética, Wellington Mangueira e a doutoranda em História Contemporânea pela UFF e que participa do Projeto de Tradução de Materiais em Língua Russa, com Foco em Documentação Soviética pelo Laboratório de Tradução da UFF (LABESTRAD), Thaiz Carvalho Senna. Compuseram também a mesa, o doutor em História pela UNB e professor titular do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação de História da UFS, Fernando Sá, e o advogado, comunicador social, pesquisador e organizador da mostra "1917: Imagens e Cartazes da Revolução que Desafiou o Impossível", Marcel Reginato.

Em sua participação, Wellington Mangueira, fez um breve resgate sobre as condições históricas que possibilitaram que a Revolução Russa tivesse êxito e exaltou a importância desse acontecimento histórico para a humanidade. “A Revolução Russa foi o maior evento político e histórico do século 20. Ela mudou a forma do mundo pensar, mesmo porque o capitalismo se provou incapaz de atender as necessidades das pessoas ao longo de tempo. Ele gera riqueza mas gera miséria em uma proporção absolutamente crítica. A Revolução Russa mostrou ao mundo uma alternativa a esse sistema tão cruel”, definiu.

Thaiz Senna fez uma apresentação a organização feminina e o papel das mulheres em meio à Revolução Russa. "As mulheres tiveram um papel preponderante na Revolução de Outubro. Essa importância pode ser observada até nas conquistas das trabalhadoras e camponesas. Devido à sua organização e luta, elas conquistaram o direito ao casamento civil, ao divórcio direto, o direito de ter um salário igual ao de um homem, proteção à maternidade, pensão alimentícia, legalização do aborto, dentre outras conquistas", explica a palestrante.

WhatsApp Image 2017 11 08 at 08.32.20Para a deputada Ana Lúcia, a Revolução Russa é uma referência para todos aqueles que desejam um mundo mais justo e fraterno. "Em 1917, a classe trabalhadora de um dos países mais atrasados da Europa desafiava um regime tirânico, a burguesia, os proprietários de terra, as principais potências estrangeiras e séculos de miséria e opressão para protagonizar a primeira revolução socialista da história humana. Há cem anos, o povo russo remodelava, para sempre, o cenário político-ideológico do mundo".

Exposições

O mandato democrático e popular da deputada Ana Lúcia já elaborou diversas exposições ao longo de seus 15 anos de atuação parlamentar. Já foram homenageadas figuras como Paulo Freire, Clemilda, Ofenísia Freire, Gerson Filho, Jorge Amado, dentre outros grandes nomes. "São banners educativos que podem ser solicitados para serem expostos em escolas e espaços públicos. O objetivo é que as exposições circulem como forma de proporcionar à população sergipana, em especial aos estudantes e professores da nossa escola pública, a oportunidade de conhecer a memória e as contribuições deixadas por grandes intelectuais, educadores, artistas e, nesse caso, para que a população sergipana conheça um pouco mais sobre a Revolução Russa", explica Ana Lúcia.

Sobre a mostra "1917: Imagens e Cartazes da Revolução que Desafiou o Impossível", Marcel Reginato, sintetiza a exposição. “São imagens que retratam toda a energia transformadora daqueles dias e cartazes que representaram uma forma primorosa de diálogo para a mobilização da massa de trabalhadores e trabalhadoras na efervescência do seu processo de emancipação. Imagens e cartazes que empolgam o olhar por sua força e sua vivacidade. E que tocam o coração e a mente de todos que alimentam o antigo, e sempre novo, sonho de uma sociedade fraterna e livre das desigualdades”.