López Obrador é o novo presidente do México: Um sopro de esperança para a América Latina.

Escrito por Paulo Eduardo Ribeiro Ligado TPL_WARP_PUBLISH . Publicado em Notícias

la 1530299021 h7tvi3dfq6 snap imageO candidato de esquerda do Partido Morena, Andrés Manuel López Obrador, foi eleito presidente do México após vencer as eleições nesse último domingo, 1. É a primeira vez que um candidato de esquerda vence as eleições presidenciais desse país que possui a segunda maior economia latino-americana e uma importância estratégica para o continente.

Após sucessivos governos conservadores que colocavam o México como uma correia de transmissão dos interesses imperialistas estadunidenses, em especial após seis anos de governo de Enrique Peña Nieto que foi marcado pela corrupção e por denúncias de violações dos direitos humanos, López Obrador conseguiu aproveitar o cansaço da população e vencer as eleições após duas derrotas consecutivas. Vale lembrar que nesse domingo e encerrou a campanha eleitoral mais violenta da história recente do México, com pelo menos 145 políticos assassinados desde setembro (48 eram pré-candidatos, ou candidatos).

Apesar da vitória folgada (estimativas oficiais baseadas em uma mostra cuja tendência é irreversível davam até 20 pontos de vantagem para o esquerdista), não serão poucos os desafios que Obrador terá que enfrentar nos 6 anos de seu mandato. Afinal de contas, ele foi eleito no momento em que parte da América Latina elege opções mais conservadoras e em meio ao embate com a Casa Branca de Donald Trump.

O presidente dos Estados Unidos já comunicou que está "ansioso para trabalhar" com Obrador. É importante ressaltar que a política criminosa anti-imigração e contra o livre comércio de Trump abalou a relação entre os países. Em meio à essa conturbada relação com a Casa Branca, Obrador possui um papel fundamental para ser uma das lideranças políticas para a reconstrução da América Latina. Porém sem o ex-presidente Lula livre para disputar e vencer as eleições brasileiras essa reconstrução do continente fica bastante prejudicada.

Por isso que a defesa da liberdade do ex-presidente Lula é fundamental. Para que a América Latina não sirva apenas aos interesses dos Estados Unidos e do grande capital. Para que um novo tempo, de reafirmação do protagonismo dos seus povos e da reconstrução de um território das liberdades, seja possível.

 

Ana Lúcia

Deputada Estadual (PT-SE)